Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.
Érica surfando

ONDAS, CACHOEIRAS E ACARAJÉ: A ITACARÉ DAS RAÍZES DA APRESENTADORA ÉRICA COSTA, FUNDADORA DO SURFISTAS NEGRAS

Criada na capital baiana do surf, a repórter do canal Woohoo revela os seus picos favoritos no lugar onde pegou a primeira onda, vendeu campeonatos e fez sua estreia como atriz.

 

Criada em Itacaré, a carioca Érica Costa pegou suas primeiras ondas aos 13 anos e, pouco tempo depois, já estava competindo no circuito profissional. Campeã baiana em 2006, ela passou dez anos focada nas competições até que a falta de patrocínio fez com que tivesse que remar em outra direção. “Chegou um momento em que tive de escolher entre me dedicar ao esporte ou ao jornalismo e, como não conseguia me bancar no mar, acabei optando por fazer a cobertura de eventos esportivos”, diz a repórter do canal Woohoo. Pra tentar virar esse jogo, ela fundou o Surfistas Negras (@surfistasnegras).

 

Criado em 2019, o movimento tem como objetivo dar visibilidade a mulheres negras surfistas, além de estimular a prática entre as que não caem no mar por sentirem que não se encaixam no padrão, engessado aos moldes californianos, da menina branca, alta e loira. 

 

 

“O racismo institucional se reflete no surf de uma forma velada”, diz Érica. “Mulheres e homens negros não têm o mesmo destaque na mídia que os outros surfistas e encontram muito mais dificuldade pra conseguir patrocínio”. Sem recursos pra viajar ou participar de provas internacionais, atletas talentosos acabam ficando fora do pódio. Mesmo longe das competições, a jornalista continua pegando onda e dando aulas da modalidade. Fora da água, também apresenta o podcast Na Praia Delas, sobre o universo feminino no surf, e trabalha em outros projetos vinculados ao esporte. Recentemente, fez sua estreia como atriz na segunda temporada da série Juacas, do Disney Channel, na pele da surfista Nati. As gravações rolaram em Itacaré. “É a cidade na qual formei a personalidade que tenho hoje e onde estão os meus melhores amigos”, diz. A seguir, Érica revela os seus picos favoritos no Havaí baiano.

 

A praia de Engenhoca, em Itacaré: pico ideal para quem está aprendendo a surfar | Fotos: Arquivos pessoal

 

 

ONDE SURFAR EM ITACARÉ: TIRIRICA E ENGENHOCA
 

Melhor pico de surfe da Bahia, Itacaré recebe etapas de campeonatos nacionais e internacionais. “As competições rolam na praia da Tiririca, que foi muito importante na minha carreira. Tive várias vitórias e derrotas ali mas, principalmente, muito aprendizado”, diz a ex-surfista profissional. “É um onda rápida e cavada, bem desafiadora”. Pra quem está aprendendo, ela recomenda a Engenhoca. “Tem uma onda mais gorda e extensa, além de um visual incrível, sem nenhuma construção, só com coqueiros e mata atlântica”.

 

COMO APRENDER A SURFAR EM ITACARÉ

 

Pra fazer umas aulinhas, Érica indica a Meninas do Mar (@meninasdomar), liderada por mulheres, e a Easy Drop (@easydropsurfcamp). “Acho muito bacana o formato que essas e outras escolas de Itacaré estão adotando, no qual o aprendizado vai além do que acontece no mar”, diz. “Eles gravam os alunos nas ondas e fazem uma análise no mesmo dia à noite, o que ajuda muito a evoluir no esporte.” 

 

 

UM LUGAR PRA ENTRAR EM CONTATO COM A NATUREZA EM ITACARÉ
 

Uma característica das praias de Itacaré é o encontro entre rio e mar. “Esse é o caso da Praia de Jeribucaçu, pela qual eu tenho paixão”, diz a surfista. “Passando o dia lá você consegue surfar, fazer um passeio pelo mangue e ainda pegar a trilha que vai até a cachoeira da Usina.”

 

Pôr do sol em Ponta do Xeréu, em Itacaré, Bahia

 

UM FIM DE TARDE PERFEITO EM ITACARÉ

 

Segundo Érica, o programa perfeito de fim de tarde é ver o sol se esconder atrás do rio no Ponta do Xaréu, que fica no canto esquerdo das praia da Concha. “Geralmente rola uma roda de capoeira no fim da tarde, ou um sonzinho de violão, aquela energia praiana que é a cara de Itacaré”, diz a surfista, que aprendeu a gingar no ritmo do berimbau quando morava na cidade.  

 

 

AS MELHORES TRILHAS DE ITACARÉ: CACHOEIRA, RIO E MAR

 

Quando visita sua cidade do coração, Érica curte andar até a Prainha, um passeio clássico de Itacaré, e fazer a trilha da cachoeira de Tijuípe, mais afastada do centro, no caminho de Serra Grande. Outro programa indispensável é atravessar o Rio de Contas e chegar ao Pontal, uma praia deserta e boa pra caminhar.  

 

 

ONDE COMER EM ITACARÉ 

 

Num galpão de pé direito alto decorado com filtros dos sonhos multicoloridos, o Manga Rosa (@restaurantemangarosa) é o favorito de Érica pra comer frutos do mar. “Adoro o peixe com molho de camarão e banana-da-terra”, diz. Já a sorridente Tia Deth (@restaurante_tia_deth), prepara a melhor moqueca da região, numa casinha de paredes coloridas com algumas mesas na calçada. “É tão boa quanto a da minha mãe”, compara a surfista. Pra comer uma pizza, ela bate ponto na Pizzaria Espaço Brasil (fb.com/espacobrasil.itacarebahia), que tem uma Kombi vintage na decor e sabores nordestinos no menu, como carne seca com queijo coalho. “A massa é ótima e o atendimento é alto-astral”. E, se a ideia é comer um crepe, sua eleita é a Creperia Tio Gu (@tiogucreperia), que também tem saladas, sucos, sorvetes e outras laricas. 

 

 

MELHOR BARRACA DE PRAIA DE ITACARÉ

 

Quando a ideia é comer com o pé na areia, Érica escolhe a Cabana Corais (@cabanacorais), no cantinho direito da praia da Concha, que tem um visual incrível, principalmente no fim de tarde. ´”É um programa ideal pra um dia de mar flat: dar um rolê de sup e depois comer um acarajé na beira da praia”, diz. A barraca de praia também é famosa por seu camarão ao molho de abacaxi e pelos caranguejos. 

 

Parada na piscina natural na praia da Engenhoca, em Itacaré

 

 

O SEU LUGAR SECRETO EM ITACARÉ 

 

Quando quer fugir do mundo, Érica se esconde na piscina natural da praia da Engenhoca. Ela dá a pista: “fica no meio das pedras, do lado esquerdo olhando pro mar”. 

 

 

ONDE FICAR EM ITACARÉ

 

Pra ficar bem, conhecer gente e gastar pouco, Érica recomenda o Buddy’s (@buddyshostel), um surf hostel que tem quartos coletivos e algumas suítes, bem no centrinho. Pra um upgrade, ele indica o hotel Ecoporan (@ecoporanitacare), equipado com piscinas, academia e spa. Já pra uma escapada romântica, a boa é reservar um dos bangalôs da Villa Estrela (@villa_estrela), de frente pro mar na praia da Concha, com cozinha, decoração minimalista, aulas de sup e yoga.